CIRURGIA DE NARIZ

Cirurgia Plástica Landecker

Curiosidades

Cirurgia Plástica Landecker

A cirurgia de nariz, ou rinoplastia, pode ser realizada com objetivo estético ou reparador/reconstrutor. Visando restaurar o equilíbrio estético da face, corrigir defeitos presentes no nascimento, corrigir sequelas de traumatismos ou resolver problemas respiratórios.

Com a evolução da medicina, várias técnicas altamente sofisticadas foram desenvolvidas, dessa forma é possível adequar o formato do nariz às características individuais da face de cada paciente.

Dentre as técnicas é possível destacar que o procedimento pode ser realizado por via de acesso aberta ou fechada, e seguindo a filosofia estruturada ou redutora. O planejamento cirúrgico deve ser feito pelo cirurgião plástico, de acordo com as necessidades de cada caso.

Para saber mais sobre a execução de cada técnica e esclarecer suas dúvidas sobre a cirurgia de nariz, lei abaixo as respostas para as perguntas frequentes.

Os seguintes fatores são importantes:

  • 1. Formação: procure saber em qual universidade/hospital ela foi realizada.
  • 2. Especialização: por tratar-se de uma cirurgia complexa, investigue se o médico é especialista em rinoplastia.
  • 3. Sociedades: o médico é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica? Caso seja um otorrinolaringologista, o mesmo também deve ser bem formado.
  • 4. Currículo: participação em Congressos, apresentação de trabalhos sobre esta cirurgia.
  • 5. Local da Cirurgia: Onde o médico opera? Procure médicos que operam em hospitais e/ou clínicas que ofereçam total segurança.
  • 6. Resultados: Procure pacientes que o médico já operou e pergunte sobre o grau de satisfação com o resultado e o tratamento.

Recentemente, com a popularização da Internet, surgiram sites onde constam informações sobre a rinoplastia estruturada. Muitos utilizam estratégias de marketing agressivas e anunciam especialistas em rinoplastia estruturada, visando angariar clientela e a autopromoção ao invés de priorizar a informação ao leitor. Por isso, é fundamental que o paciente escolha o médico somente após uma minuciosa análise do currículo e especialmente após realizar uma consulta formal com o cirurgião. A realização da cirurgia com médicos sem a formação adequada em rinoplastia estruturada pode trazer graves transtornos e complicações que podem ser impossíveis de corrigir.

Acreditamos ser fundamental escolher um profissional que saiba realizar tanto a parte funcional quanto a estética, pois não faz sentido operar com alguém que não entenda ou saiba tratar uma das duas partes. Se o profissional é cirurgião plástico ou otorrinolaringologista, isto pouco importa. O que importa é ter a capacidade de oferecer ao paciente um nariz bonito e que funcione!

O membro “especialista” quer dizer que o cirurgião terminou a residência em cirurgia plástica e foi aprovado na prova de título de “especialista em cirurgia plástica” pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Isto é obrigatório para todos que terminam a residência, se quiserem ingressar na Sociedade. Após 2 anos, o cirurgião pode apresentar um trabalho científico e tornar-se “titular”. Não existe a categoria “especialista em determinada cirurgia”, como muitos pensam. O que existe são médicos que se dedicam mais a uma determinada cirurgia e são portanto reconhecidos pelos colegas e/ou comunidade científica como “especialistas numa determinada cirurgia”.

A procura pela cirurgia de nariz / rinoplastia não é tão grande quanto a lipoaspiração e a inclusão de implantes mamários, que são os procedimentos mais populares atualmente no Brasil. A maioria dos pacientes são adultos jovens. O interessante é que o número e/ou proporção de homens que procuram esta cirurgia tem aumentado ao longo dos anos em relação às mulheres. Mas a procura entre os adolescentes é grande pois é neste momento que ocorrem mudanças significativas de personalidade.

A cirurgia de nariz deve ser feita a partir dos 16/17 anos, quando as estruturas ósseas e cartilaginosas do nariz e da face estão plenamente desenvolvidas. Além disso, os pacientes possuem melhor estrutura emocional para lidar com a mudança de aparência proporcionada pela cirurgia de nariz ou rinoplastia.

Atualmente, é fundamental tentar produzir um nariz “individualizado”, que combine naturalmente com a face e a etnia do paciente. Por isso, antes da cirurgia, um bom especialista em rinoplastia deve realizar estudos matemáticos detalhados das proporções do nariz em relação à face de cada paciente e criar o planejamento cirúrgico baseado nestes resultados e no senso estético. Este sistema de análise/planejamento evita a produção do “mesmo nariz para todos os pacientes”, uma queixa antiga em pacientes submetidos a esta cirurgia pela técnica tradicional. Atualmente, desenhos ou simulações computadorizadas podem ser usados para mostrar ao paciente o que deve ser corrigido e como isto pode ser feito. Por questões de ética, o paciente deve ser informado de que estas ferramentas são apenas educativas e que não constituem uma promessa em relação ao resultado. Os desenhos aprovados pelo paciente devem ser levados à sala de cirurgia, servindo como referencia para o cirurgião realizar a cirurgia. Este sistema pode estabelecer uma boa sintonia entre o cirurgião e o paciente, podendo oferece resultados cada vez mais naturais e podendo minimizar a chance de insatisfação estética após a cirurgia.

Uma cirurgia de nariz / rinoplastia bem executada pode melhorar a harmonia facial de forma significativa, oferecendo uma boa melhora na auto-estima. A maioria dos pacientes se sente mais confiante nas relações profissionais e sociais. Em pacientes que procuram o médico queixando-se de problemas respiratórios, existe uma notável melhora na qualidade de vida quando a cirurgia consegue re-estabelecer a integridade das vias aéreas. Porém, o paciente não deve acreditar que a cirurgia de nariz irá resolver problemas emocionais.

Os pacientes devem saber que não existe nariz perfeito. Todos possuem defeitos que seriam facilmente apontados por um especialista nesse tipo de cirurgia. Por isso, o paciente deve encarar a cirurgia como uma maneira de MELHORAR o formato do seu nariz. Portanto, o resultado deve ser analisado como um todo- se o paciente analisar cada milímetro do nariz operado, ficará extremamente estressado após a cirurgia! A perfeição nesta cirurgia pode até ser atingida, mas é pouco provável pois trata-se de uma cirurgia muito difícil e cujo tecido de cicatrização não está sob o controle do cirurgião. A grande inimiga desta cirurgia é a fibrose que se forma após a cirurgia e que tende a puxar as cartilagens e/ou gerar deformidades de contorno. Por isso, é muito importante que o médico saiba utilizar as técnicas corretas para evitar o efeito deletério desta fibrose. Mas mesmo assim há risco do resultado ser desfavorável se o corpo responder de uma forma inesperada!

A cirurgia de nariz (rinoplastia) moderna tem como princípio básico a construção de um nariz bonito e funcional. Em outras palavras, a manutenção da função respiratória deve ser uma prioridade absoluta. Nesta cirurgia, as cartilagens e ossos que formam o esqueleto do nariz são esculpidas de acordo com as características do nariz e da face do paciente. Quase sempre é necessário utilizar enxertos de cartilagem, retirados do próprio nariz, costela ou da orelha, para corrigir as alterações de contorno e fortalecer o esqueleto remanescente. Em casos onde há dificuldade respiratória, pode ser necessário corrigir desvios do septo nasal e das outras estruturas que formam as vias responsáveis pela passagem do ar. A rinoplastia pode ser realizada de forma “aberta” ou “fechada”, conforme a preferência do cirurgião e as características do nariz a ser operado.

O médico deve tomar muito cuidado com pacientes portadores de depressão e outras doenças mentais, pois estes podem ter distúrbios de auto-imagem que podem tornar o tratamento um desastre. Isso é especialmente importante em rinoplastia, pois 20% das pessoas que procuram esta cirurgia possuem dismorfismo corpóreo (doença psiquiátrica que faz com que a pessoa nunca esteja satisfeita com o seu corpo). Na cirurgia plástica geral, este índice é de 5%. Portanto, pacientes com dismorfismo corpóreo ou depressão só devem ser operados após a liberação do psiquiatra e após uma rigorosa avaliação por parte do cirurgião em relação às expectativas de resultado, etc. Realizar a cirurgia em pacientes sem estes cuidados pode gerar grande insatisfação para o cirurgião e o paciente.

Nenhum convênio cobrirá os custos de uma rinoplastia puramente estética. Caso haja problemas funcionais (que devem ser documentados através de exames apropriados), alguns convênios arcam com os custos desta parte da cirurgia. Isto geralmente corresponde a 50% dos custos do hospital. Há ainda convênios que oferecem determinados reembolsos aos pacientes pela parte funcional da cirurgia.

Isto varia de acordo com a conduta do médico. Recomenda-se a realização de um RX de tórax, Eletrocardiograma, exames de sangue (hemograma, coagulação, eletrólitos, função renal, etc.) e uma Tomografia Computadorizada dos ossos nasais e seios da face se houver sintomas respiratórios.

O paciente não deve tomar Aspirina, Arnica ou qualquer erva por 14 dias antes da cirurgia. Estas substâncias são anticoagulantes e podem causar grandes sangramentos durante a cirurgia. Após a cirurgia, a Arnica até pode ser usada após 3-4 dias da cirurgia, quando o risco de sangramento é significativamente menor. Porém, muitos médicos acreditam que o risco de sangramento não vale a pena, já que os antiinflamatórios e uma boa fisioterapia funcionam tão bem quanto a Arnica, mas sem o risco. Apesar da controvérsia, ainda há colegas que receitam Arnica.

A realização de uma segunda rinoplastia depende do grau de insatisfação do paciente, que deve lembrar que nenhum ser humano possui um nariz perfeito e que a segunda cirurgia é sempre mais difícil do que a primeira. Inclusive, o nariz pode ficar com uma aparência pior se a técnica correta não for utilizada e/ou o corpo responder de uma forma imprevisível. Portanto, o paciente deve realizar a cirurgia somente com um especialista em rinoplastia e se estiver muito incomodado com o defeito. Se for apenas um incômodo leve, talvez seja melhor não operar!

E-BOOK