Cirurgia íntima

Cirurgia Plástica Landecker

cirurgia íntima – ou, como também é conhecida, a cirurgia na região genital – é indicada para tratar problemas de saúde ou por motivos estéticos, quando a paciente sente um incômodo com o formato natural da vulva. Trata-se de uma cirurgia estética, que visa melhorar o aspecto do órgão íntimo, com a redução dos pequenos lábios da vulva, por exemplo.

Cirurgia íntima feminina: entenda como funciona o procedimento

Esse tipo de cirurgia é considerado uma intervenção cirúrgica de pequeno porte, sendo que, em alguns casos, o paciente pode retornar para casa no mesmo dia, sem a necessidade de de internação. O procedimento costuma durar uma hora e o cirurgião plástico ou médico ginecologista pode aplicar anestesia local ou geral. Os pontos são geralmente absorvíveis, ou seja, não precisam ser retirados pelo profissional médico, o que facilita bastante o processo de cicatrização. Vale frisar, também, que as cicatrizes deixadas por essa cirurgia tendem a ser bastante discretas, quase imperceptíveis.

Cirurgia íntima: antes e depois

Após a absorção do inchaço pelo corpo, é possível fazer uma análise correta e completa dos resultados dessa intervenção cirúrgica. Mesmo assim, pouco tempo após o procedimento, já é possível analisar as modificações. O resultado é uma vulva com lábios reduzidos, um aspecto rejuvenescido, que melhora a saúde, a higiene e, consequentemente, a estética do órgão. Pacientes que possuem infecção ativa na região vaginal, como corrimento, devem realizar o tratamento antes do procedimento cirúrgico. Esse tipo de cirurgia não tem contraindicações, apenas em casos de pacientes que possuam doenças crônicas, como diabetes, que podem vir a ter complicações em qualquer outro tipo de procedimento cirúrgico. Vale ainda citar que, no caso de fumantes, a abstinência é recomendada por cerca de dois ou três meses antes da cirurgia íntima.

Cirurgia íntima: recuperação e cuidados do pós-operatório

Para que a recuperação seja satisfatória, o ideal é que o paciente siga uma série de restrições durante o pós-operatório, para evitar possíveis complicações com a cirurgia. Dentre as restrições, o ideal é que o paciente: Não tenha relações sexuais em um período de até 45 dias, em média; Use roupas íntimas feitas de algodão; Faça higiene das partes íntimas com sabão neutro e água morna; Não esfregue as partes íntimas nem gere atrito na região. Em caso de dúvidas específicas, o ideal é contatar o médico que realizou o procedimento, que terá a responsabilidade de guiar o paciente durante todo o pré e pós-operatório.

Cirurgia íntima e a escolha correta de um médico especialista

cirurgia íntima trata-se de uma cirurgia plástica, portanto, pode ser um procedimento realizado com um cirurgião plástico. Para escolher uma clínica de cirurgia plástica que tenha um profissional competente, saiba que existem algumas obrigações. Geralmente, as clínicas oferecem, além de procedimentos cirúrgicos, outras opções de tratamentos corporais e contam com o auxílio de um médico responsável, normalmente um cirurgião plástico. Todo cirurgião plástico precisa ser, obrigatoriamente, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Além disso, entender a especialidade do médico pode fazer toda a diferença na escolha. Para isso, basta conferir os trabalhos publicados pelo profissional e sua participação em congressos. Outro ponto importante é, se possível, conferir os resultados atingidos pelo profissional com antigos pacientes. Trata-se de um processo minucioso, mas que pode evitar frustrações e garantir sua segurança antes e depois do procedimento.

 

Fonte:

 

Cirurgião Plástico Dr. Alan Landecker (CRM 87043), membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.

Baixe o e-book e saiba tudo sobre cirurgia de nariz